Novo segmento de pick-ups médias mexe com o mercado

Agitado nos últimos meses com o lançamento de duas novas pick-ups estrategicamente posicionadas entre as compactas e as grandes, o novo segmento de médias tem tudo para crescer.

Inaugurado com o lançamento da Renault Duster Oroch, no final do ano passado e ampliado com a Fiat Toro, prometida para depois do Carnaval e já divulgada em fotos e comerciais pela montadora, o novo segmento das pick-ups médias merece ser acompanhado com atenção por fornecedores, distribuidores e lojistas de acessórios.

Estrategicamente posicionado entre as pick-ups compactas, segmento que abriga modelos bons de venda como a Fiat Strada (um dos 10 veículos mais vendidos do país) e a Volkswagen Saveiro e as pick-ups grandes, como a Chevrolet S10, a Ford Ranger, a Volkswagen Amarok e a Toyota Hilux, entre outras, o novo segmento promete atrair o crescente contingente dos consumidores que desejam ter um veículo com características de utilitário de carga e conforto de carro urbano.

Além dos atributos visuais e técnicos, as novas pick-ups chegam com itens muito valorizados pelos consumidores: o espaço interno que as pick-ups menores ficam devendo e o conforto para os passageiros que as maiores, projetadas para serem veículos de carga, não entregam.

Não por acaso, tanto a Oroch quanto a Toro se baseiam na plataforma de SUVs bem sucedidos, respectivamente o Renault Duster e o Jeep Renegade.

Para completar a lista dos derivados de SUVs de sucesso faltariam pick-ups médias baseadas nas plataformas do Ford EcoSport e do Honda CR-V, mas aí já seria esperar demais.

Uma pick-up média baseada no EcoSport muito provavelmente canibalizaria vendas da Ranger e uma da Honda seria algo inédito em todo mundo, além de um capricho para uma montadora que, até agora, ainda não consegue dar conta dos pedidos do seu SUV.

O novo segmento promete tirar compradores tanto para cima quanto para baixo, atraindo tanto potenciais compradores de
modelos mais baratos das pickups grandes de cabine dupla quanto dos modelos topo de linha das compactas.

A perspectiva é que já em 2016, mesmo com os consumidores pouco propensos a gastar, o novo segmento ultrapasse a barreira das 50 mil unidades emplacadas, podendo crescer ainda mais em 2017, já que as vendas da Fiat Toro só devem começar a ser contabilizadas depois do final de março.

Levando em conta o tamanho da rede de concessionários, o apelo da marca e o desempenho dos SUVs com os quais compartilham a plataforma, não deve demorar muito para a Toro ultrapassar a Oroch, a menos que a Fiat cometa algum engano na precificação ou no posicionamento do novo produto, o que parece bastante improvável.

Como miram prioritariamente em consumidores de perfil urbano, que desejam veículos que consigam conjugar o espaço e o conforto dos carros e dos SUVs com o visual dos veículos utilitários, ambos os modelos prometem já chegar bem equipados aos concessionários autorizados.

Ainda assim, com certeza vai existir espaço para desenvolver e oferecer uma ampla gama de acessórios para instalação tanto na parte interna quanto na externa, sem falar em itens de personalização, pois rapidamente os atributos de “novidade” e “veículo que poucos têm” vai ser perdido e será preciso diferenciar a “minha Toro” ou a “minha Oroch” da que o vizinho, amigo ou conhecido tem.

Se você é fabricante ou importador, que produtos a sua empresa oferece para as pick-ups do novo segmento?

Se é distribuidor, você já incluiu produtos para a Renault Duster Oroch e a Fiat Toro no seu catálogo?

Se você é varejista de acessórios automotivos, já pensou no que oferecer quando uma dessas pick-ups médias entrar na sua loja? Já consultou os seus distribuidores preferidos para saber que acessórios eles têm em estoque para esses novos modelos?

Esta é uma excelente oportunidade para se aproveitar: num mercado difícil, este com certeza vai ser um segmento que vai crescer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *